Liderado por Paulo Gomes, MAP é um quarteto dedicado à interpretação de música original, de influência jazzística, escrita pelos membros do grupo. Estreou-se no Festival Porta-Jazz em Dezembro 2012. O seu primeiro CD – The Zombie Wolf Playn’ The Blues On A Monday Morning - foi editado em 2014. Este disco foi apresentado em muitos concertos em Portugal, e duas séries de concertos em França; em Fevereiro e em Agosto de 2015. Em Outubro de 2015 publicaram o segundo CD – Circo Voador, inspirado nas artes circenses que foi divulgado igualmente por todo o país e alguns concertos em França em 2016. Em Março de 2017 publicaram o terceiro CD – Guerra e Paz ,considerado pelo blog “Bird is the worm” como um dos melhores discos de jazz editados em 2017. Em Janeiro de 2018 apresentaram a sua música num concerto na Suíça, em Genéve. Em Dezembro do mesmo ano atuam com o saxofonista americano Chris Cheek no Festival Porta Jazz no Teatro Rivoli. Da gravação deste concerto saiu o quarto registo em CD – MAP + Chris Cheek.

O piano solo, como forma de apresentação, ocupa um lugar privilegiado no jazz, com uma história anterior às origens deste género. As suas abordagens legítimas são tão variadas quanto o próprio jazz. Esta viagem solitária num palco com um piano, defino-a como um momento de uma liberdade total, a expressão sem restrições, a exposição completa e  sem refúgios, a mistura de linguagens e técnicas que experienciei desde sempre. Como um resumo... uma reflexão e uma retrospectiva do meu unverso musical e pessoal. Desse universo fazem parte a música que mais ouvi, a que toquei e a que escrevi. E é dessa coleção que sai a música que trago para concerto.

Sem as fronteiras habituais das linhas de repertório original ou do jazz americano ou da música de qualquer outra raiz, o que mais valorizo e procuro neste trio é o som coletivo e o prazer de fazer a música que mais gosto. Sem pretensões e na minha formação preferida... o trio!

Paulo Gomes e Fátima Serro são uma das duplas de trabalho mais regular no Jazz nacional. Projectos como o “Quinteto de Fátima Serro”, a “Conferência dos Sons” ou o “Quinto Elemento”, são alguns dos frutos desta colaboração que existe desde o início dos anos 90. Trabalhos por todo o País (continente e ilhas), em Espanha, Alemanha, Bélgica ou Holanda, com destacados músicos nacionais (Pedro Barreiros, Bruno Pedroso, Jorge Reis, Bernardo Moreira, Laurent Filipe, Zé Eduardo, Carlos Bica....) e estrangeiros (Julian Arguelles, Rolf Delfos, Henry Lowther, Ben Van Den Dungen, Anton Drukker, Pascal Vermeer.…) apoiam a qualidade dos trabalhos que apresentam com regularidade. Discos editados, como “Day By Day”, “Outra História”, “Intro”, ou “Quinto Elemento”, documentam esse percurso comum.

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now